Menu

Discussão Sobre o Incesto



Quer ter um site igual a esse e ganhar muito dinheiro? SAIBA COMO AQUI.


Sobre o Incesto

 

Primeiro de tudo não julgue o INCESTO e reflita sobre isso…

 

Somos Todos Filhos de Adão e Eva, Tecnicamente Nascemos Através de Relações Incestuosas.

 


 

 

O Que é Incesto?

 

 

Incesto é quando se possui uma relação sexual ou matrimonial entre parentes próximos ou alguma forma de restrição sexual dentro de determinada sociedade. É condenado em quase todas as culturas humanas. O incesto é punido como crime em algumas jurisdições, e é considerado um pecado pelas maiores religiões do mundo. Na maior parte dos países ocidentais o incesto é legalmente proibido, mesmo que haja consentimento de ambas as partes.

 

Variam as definições de parente próximo, e aí encontra-se a dificuldade em identificar certos casos de incesto. Além de parentes por nascimento, podem ser considerados parentes aqueles que se unem ao grupo familiar por adoção ou casamento.

 

São consideradas incestuosas, geralmente, as relações entre pais e filhas, mães e filhos, avós e netos ou netas, entre irmãos ou meio-irmãos, entre tios e sobrinhos, entre primos também, porém com primos não é tão julgado negativamente, mas em alguns lugares são considerados atos de incesto até mesmo as relações com parentes mais distantes, como sogros e noras, genros e sogras, cunhados e padrastos e madrastas. Em alguns países ou jurisdições, entretanto, este tipo de casamento é proibido por lei, derivando daí o caráter incestuoso do ato, nestes casos.

 

Para o cristianismo o incesto é considerado um pecado pois é contra a instituição familiar. Apesar de conter na própria Bíblia diversos trechos como este… (Veja a imagem abaixo)

 

 

Incesto-na-Biblia

 

Há casos de casamentos de caráter apenas oficioso entre irmãos da realeza para preservar a dinastia, e exceções na história e em sociedades atuais para certas classes sociais privilegiadas. No Brasil, dados históricos dão conta de que o Regente Diogo Feijó, por exemplo, vivia maritalmente com sua irmã.

 

A procriação entre parentes próximos tende a aumentar o número de homozigotos de determinada população, reduzindo, portanto, a variabilidade genética da mesma. Essa é talvez uma das explicações do tabu do incesto: o incentivo à mistura genética. Quanto mais próximos geneticamente os dois parentes que tem um filho, mais o número de homozigotos aumenta. Isso talvez explica o porque incesto e menos comum entre irmãos do que é entre primos. Mais importante, no entanto, talvez seja o incentivo à exogamia pela razão de que ela amplia as relações positivas e sobretudo comerciais entre grupos sociais distintos. Do contrário, não haveria a sociedade como a conhecemos, pois as famílias fechariam-se, eventualmente tornando-se um povo, uma etnia, à parte.

 

O termo incesto também é frequentemente utilizado para casos de abuso sexual de menores por parte de parentes, principalmente pais com suas filhas e tios com as sobrinhas. Por esse motivo o incesto é tão julgado negativamente em sua maior parte, pois as pessoas tendem a confundir e misturar o incesto com estupro.

 

Basicamente o incesto é somente a relação sexual entre parentes, se na maioria dos casos não fosse por uma das partes sendo forçada, talvez não fosse julgado tão mau perante a sociedade.

 

 

Caso de Incesto no Brasil

 

 

Saiu na Folha de São Paulo no dia 11 de junho de 2010:

 

“’Ele me batia muito, me empurrava. Ele me procurava de três em três dias, de oito em oito dias, mas eu não pensava que isso fosse crime.’

 

Dessa forma, Sandra Maria Monteiro, 29 anos, descreveu ontem como era o relacionamento com o pai, o lavrador José Agostinho Bispo Pereira, 54 anos, preso na terça passada em um povoado de Pinheiro, no interior do Maranhão.

 

Segundo a polícia, os dois tiveram juntos sete filhos.

 

Analfabeta e abandonada pela mãe, Sandra contou à Folha que viveu desde os 12 anos sem saber que a violência sexual, o cárcere privado e os maus-tratos cometidos pelo pai eram crimes.

 

Disse que, quando tinha cinco anos, a mãe deixou a família. Contou que foi vítima do primeiro estupro aos 12 anos, antes de menstruar.

 

‘Ele disse pra mim que ia fazer um serviço e que era pra não dizer pra ninguém. Fiquei com medo de dizer e ele fazer qualquer coisa.’”

 

Fazer sexo com o próprio filho, pela lei brasileira, não é crime. O crime na matéria acima é ter feito sexo com uma pessoa menor de 14 anos, que é o estupro de vulnerável, o cárcere privado (que é impedir alguém de ir e vir ilegalmente), as lesões corporais, e o estupro (como ela, mesmo depois de adulta, era obrigada a fazer sexo ameaçada pelo pai, ela estava sendo estuprada).

 

O incesto (sexo entre os pais e os filhos), se ambos são maiores e nenhum está sob ameaça ou violência, é permitido pela lei brasileira, ainda que seja um tabu moral e religioso. Mas, do ponto de vista jurídico, ele jamais gerará uma união estável, ainda que os envolvidos queiram criar tal união. Isso porque, ainda que a conduta não seja delituosa, ela é rechaçada do ponto de vista cível, que não quer que pais e filhos, através de um relacionamento sexual entre si, constituam famílias ou relações similares à família (a união estável). Isso porque esse tipo de relacionamento criaria uma enorme instabilidade jurídica. Por exemplo, no caso da matéria acima, se o homem morrer, a filha herdaria seus bens como filha ou como parceira? Os seus filhos seriam tratados como netos ou filhos dele? Etc. Para evitar essa confusão, a lei civil é clara: eles jamais podem criar uma união estável, e ela sempre permanecerá na posição de filha. Em um incesto, se a relação se torna estável, as pessoas serão tratadas como concubinas (concubinato) e não como companheiros (união estável).

 

 

Mais Sobre o Incesto

 

 

Primeiramente devemos esclarecer que não se trata apenas de um tabu da sociedade. O incesto é condenado por uma questão biológica.

 

As probabilidades de uma criança, fruto do incesto, nascer com uma má formação são maiores, já que os progenitores possuem a mesma carga genética, logo, possuem os mesmos “defeitos” genéticos.

 

É claro que quanto mais próximo for o parentesco, maiores as chances de isso acontecer.

 

Isso não quer dizer que você não pode “ficar” com a sua irmã, mas pode “pegar” a prima…

 

Porém, mas do que uma questão biológica, o incesto é uma questão cultural, visto que existe o incesto até entre os animais.

 

Confiram o que a revista Superinteressante publicou falando sobre o assunto.

 

Evitar o incesto não é resultado de tendências biológicas ou genéticas do ser humano. É uma invenção humana, cultural.

 

Portanto, se o tabu caísse, isso não seria o fim da espécie humana. É preciso lembrar que, embora exista uma regra parecida entre algumas espécies animais, ele não aparece na maioria delas. Nem entre humanos essa condição é universal. Há povos indígenas em que, embora haja tabus sexuais, eles não se referem às relações entre parentes.

 

Se o tabu do incesto não tivesse sido criado, uma possível consequência seria o isolamento das comunidades. Um dos motivos que levaram aldeias e vilarejos a estreitar relações era a necessidade de cônjuges desimpedidos. Aliás, segundo o antropólogo Claude Lévi-Strauss, a origem do tabu seria a descoberta, pelos homens, de que podiam melhorar seus negócios e estabelecer acordos políticos vantajosos com outras tribos a partir de casamentos entre aldeias.

 

Hoje em dia, é provável que algumas famílias ricas se fechassem em relações endogâmicas, como em alguns momentos da história. Na Idade Média, reis e rainhas europeus casavam-se com primos e irmãos para manter unidos seus reinos e fortunas. É possível que surgisse gente disposta a casar os filhos entre si, ou com os primos. Um pai viúvo poderia colocar a filha no lugar da esposa.

 

Os laços de parentesco iriam para o espaço. Se o pai casasse com a filha, ele seria pai ou avô da criança que nascesse dessa união?

 

E os irmãos da mulher, seriam cunhados ou filhos? Para os psicólogos, um dos motivos da criação do tabu do incesto foi justamente o de colocar ordem nessa confusão de parentesco.

 

Mas há quem diga que a vida em sociedade não seria possível. Um dos mais famosos defensores dessa tese foi o médico austríaco Sigmund Freud, em sua teoria sobre o complexo de Édipo, criada sobre uma tragédia grega escrita por Sófocles no ano 450 a.C.

 

Na história original, Édipo mata o pai e se casa com a mãe sem saber de quem se tratam e causa, com isso, uma maldição que só desaparece quando ele descobre a verdade e fura os próprios olhos. Segundo Freud, mães e filhos têm o impulso natural de manter a intimidade que desenvolvem desde o nascimento. Surge aí a figura do pai, responsável pela quebra desse vínculo que, no fim das contas, vai permitir que o novo indivíduo ande com suas próprias pernas.

 

Se o tabu do incesto deixasse de existir, a sociedade tenderia a se desorganizar e voltar à barbárie, ou seja, ao domínio pela força. Mas a antropóloga Ana Lúcia Pastore Schritzmeyer, da USP, acredita que logo a sociedade se reorganizaria em torno de uma nova proibição. “O homem elegeria outro tabu sexual, de igual peso, em torno do qual a sociedade voltaria a se organizar.” A vida dos animais reforça essa tese. O tabu do incesto é mais comum em espécies que vivem em sociedades estáveis. As fêmeas dos chimpanzés, quando chegam à adolescência, procuram outros grupos.

 

Isso degeneraria a espécie humana? O risco de doenças congênitas, de fato, existe. Sabe-se que sexo com indivíduos fora do grupo elimina genes recessivos e evita doenças. Não por acaso, muitas lendas ligam o incesto a maldição. O lobisomem, por exemplo, seria fruto de uma relação incestuosa. Só que a natureza nem sempre confirma essa ideia. Em uma espécie de alce canadense, o macho cruza com todo o harém, inclusive suas filhas. E a espécie sobrevive.”

 

Bem no fim tudo é uma questão de ponto de vista errado para alguns e certo para outros, e agora depois de ler tudo isso e entender um pouco mais sobre o assunto, qual é o seu ponto de vista e sua opinião sobre o ato de incesto, deixe seu comentário abaixo.

 

322 Views

2 years

One Comment

  1. jazz-xxx disse:

    incesto é só sexo, se os dois lados concordam nao tem nada de errado o que nao pode é estuprar, as pessoas confundem muito isso tenho 36 anos sou casado e minha mulher nem imagina, mas ja comi a minha tia de 50 anos no quarto ao lado enquanto minha mulher assistia filme quando ela veio trazer minha sobrinha pra brincar com minha filha, quando eu era mais novo tinha 14 anos, era inocente e eu e minha mae tomamos banho junto, era normal ela fazer isso comigo, mas um dia nao guentei a puberdade bateu e fiquei com o pau duro sem ela ver, tentei esconder ai a droga do sabonete caiu e ela baixou para pegar escorregou e caiu de 4 na minha frente, nem deu tempo de ela olhar pra tras eu tracei minha mae sem ela deixa e meti nela sem para com ela gemendo, foi rapido, era minha primeira vez, ela saiu quieta, mas ela gostou e me chamou para o banho no outro dia de novo e me pos sentado no chao e ficou pulando em mim uns 20 minutos com os peitos na minha cara, depois disso comi minha mae mais uma vez e paramos, mas a vida segue normal ela esta com meui pai e tem mais uma filha, hj minha irma tem 19 aninhos e ja comi ela 2 vezes, mas nunca forcei ninguem, nem minha irma, na vdd ela que me seduziu… acho q e de familia


Adult Wordpress Themes
Yes No